O lugar mágico

August 10, 2019

Atravessamos desertos sem saber se haverá água no fim do caminho. Secamos por dentro como fontes extintas há muito. Adoecemos até aos ossos de neurose e de solidão. Somos templos vandalisados, somos matéria para combustão, mentes-tempestade num grito eléctrico. Somos tristeza sem colo, corpos presos na ilusão dos dias. Somos o que nunca fomos, até nos arrastarmos, febris, para o mais profundo abismo. E somos tudo isto sem o sabermos, porque não há tempo a perder, e vulnerabilidade parece vírus - pode pegar-se, há que estar sempre impecável. Há que fazer parte desse mundo imaculado. Há que silenciar o pranto, nem um soluço será permitido! Não há espaço para negociar o medo, nem tempo para a reconciliação com a tragédia das rugas e da flacidez. Não haverá lugar para quem não o reclamar. Far-se-há o luto em três tempos e sem ninguém saber. O lamento é uma faca afiada, separando - te do mundo que entretanto já alinhou os chacras e se prepara para as novidades dos coloridos.
A dança das cadeiras continua, tem atenção, se falhares ficas de fora. 
A menos que... 
Sejas o caminhante e o caminho, e o fogo de artifício já não te distraia. Sejas a flor e o perfume, e a magia alheia já não perturbe essa essência que nasce da pureza da vida, das entranhas da terra, do calor do sol, da frescura da água. Sejas o fogo que se incendeia e se devora a si mesmo, o êxtase e a paixão infinita.

 

Mizé Jacinto, Agosto 2019

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Posts Recentes

December 23, 2019

December 23, 2019

December 23, 2019

December 23, 2019

November 4, 2019

August 10, 2019

Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square